"Se trabalharmos para polir o latão, o tempo embaçará o seu brilho. Se construirmos templos, eles desmoronarão. Mas, se nos dedicarmos a burilar almas imortais, se as impregnarmos de bons princípios, com o justo temor do Criador e com amor pela humanidade, estaremos gravando nelas algo que brilhará por toda a Eternidade".

Daniel Webster
Jesus Está Voltando. Prepara-te para estar com ELE!!!

domingo, 22 de junho de 2014

Cura - Parte 2


Autor: Sancley Q. Silva

“Eu, porém,olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação, o meu Deus me ouvirá”. (Miquéias 7:7)

Quanta dor eu tenho que suportar? Quanta for necessária para me fazer enxergar Deus. Quanta angustia tenho que passar? Quanta for suficiente para faze-lo ouvir Deus em meio à sua tormenta.

Parece ilógico, mas é exatamente esta a resposta que Deus me deu.

Enquanto nossos olhos e ouvidos estiverem tapados para Deus sofremos desnecessariamente. Enquanto não conseguirmos abrir nossos olhos espirituais e ver Deus do nosso lado, caminhando conosco bem como nossos ouvidos espirituais e escutar a sua voz nos acalmando, nos orientando, nos direcionando então sofremos além da conta.

Veja bem, quero que todos entendam que nós não estamos isentos dos problemas, absolutamente ninguém. A diferença está em como abordamos o problema, como nos comportamos diante das circunstancias contrarias.

Apesar de Daniel ser intimo de Deus, ter sabedoria para interpretar os sonhos de faraó e apesar dele orar três vezes ao dia, Deus não o livrou da cova dos leões. Contudo, ele não temeu, porque sabia que se Deus não o havia livrado, então Deus estaria com ele.

“O rei muito se alegrou e ordenou que tirassem Daniel da cova. Quando o tiraram da cova, viram que não havia nele nenhum ferimento, pois ele tinha confiado no seu Deus”. (Daniel 6:23)

Como homem natural, talvez Daniel tenha por um segundo ficado com medo, mas como homem espiritual CONFIOU em Deus e isto o livrou da angustia e da dor.

Os três amigos de Daniel, a saber Anannias, Misael e Azarias, também tiveram que enfrentar uma situação semelhante. Todavia, ao invés de leões, tiveram que enfrentar o fogo. No versículo 20 do capitulo 3 do livro de Daniel vemos que eles foram amarrados e jogados de alto à baixo dentro da fornalha, mas por mais que o inimigo tente nos parar, por mais que ele tente nos fazer desistir, por mais que ele tente impedir a nossa caminhada, Deus vem ao nosso encontro e desata todos os nós feitos pelo adversário e nos faz livres, o que temos que fazer é apenas CONFIAR que Deus é conosco.

“[...] os quais caíram amarrados dentro da fornalha em chamas. Mas, logo depois o rei Nabucodonosor, alarmado, levantou-se e perguntou aos seus conselheiros: Não foram três homens amarrados que nós atiramos no fogo? Eles responderam: Sim, ó rei. E o rei exclamou: Olhem! Estou vendo quatro homens, desamarrados e ilesos, andando pelo fogo, e o quarto se parece com um filho dos deuses”. (Daniel 3:23.25)

No versículo 28 desse mesmo capitulo vemos o motivo pela qual Deus os abençoou:

“Disse então Nabucodonosor: Louvado seja o Deus de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que enviou o seu anjo e livrou os seus servos! ELES CONFIARAM NELE [...] ”. (Daniel 3:28)

O apóstolo Paulo quando disse em 2 Coríntios 1:8 que a luta que ele teve que passar foi tão grande que até da vida ele se desesperou, na verdade disse como homem natural, porém ele também era espiritual e possuía a mente de Cristo e sabia que Deus era com ele para o livrar. Quando ele fala em Atos que sua esperança por um instante se desfez ele conclui dizendo:

“Visto que os homens tinham passado muito tempo sem comer, Paulo levantou-se diante deles e disse: Os senhores deviam ter aceitado o meu conselho de não partir de Creta, pois assim teriam evitado este dano e prejuízo. MAS AGORA RECOMENDO-LHES QUE TENHAM CORAGEM, pois nenhum de vocês perderá a vida, apenas o navio será destruído. POIS ONTEM À NOITE APARECEU-ME UM ANJO DO DEUS A QUEM PERTENÇO E A QUEM ADORO, DIZENDO-ME: PAULO, NÃO TENHA MEDO [...]. ASSIM, TENHAM ÂNIMO, SENHORES! CREIO EM DEUS QUE ACONTECERÁ DO MODO COMO ME FOI DITO”. (Atos 27:21.25)

O problema não está nas lutas e provações que passamos. O problema está em nós. Está em como encaramos as batalhas. Está em como nos comportamos diante do grande mar.

O profeta Isaias nos deixou registrado a orientação de Deus:

“Mas agora assim diz o Senhor, aquele que o criou, ó Jacó, aquele que o formou, ó Israel: Não tema, pois eu o resgatei, eu o chamei pelo nome, você é meu. Quando você atravessar as águas, eu estarei com você, e, quando você atravessar os rios, eles não o encobrirão. Quando você andar através do fogo, você não se queimará, as chamas não o deixarão em brasas. Pois eu sou o Senhor, o seu Deus, o Santo de Israel, o seu Salvador [...]”.( Isaías 43:1.3)

Entretanto, mesmo diante de todas estas palavras, eventualmente, nos esquecemos de Deus. Esquecemos que ele tem todo o domínio e poder, que ele é capaz de parar o sol e a lua só para abençoar o seu povo, que ele pode tirar o sono de um rei só para faze-lo ler um livro para abençoar um filho seu.

Nos esquecemos e nos deixamos levar pelas palavras de acusação do inimigo. Ele é paciente e não desiste nunca de tentar destruir a nossa fé e macular a nossa alma. Ele não desistiu facilmente de Cristo no deserto quando intentava contra a sua vida.  Cristo só o venceu mediante o conhecimento da palavra e perseverança. Ficamos doente fisicamente, enfraquecemo-nos espiritualmente e nos debilitamos emocionalmente. E quanto mais escutamos à satanás, mais nos afundamos em suas mentiras. Nós nos afastamos de Deus e sofremos incontidamente.

E isto acontece não é porque Deus não nos ama, porque nascemos para sofrer, porque somos fracassados, inúteis ou porque somos pessoas ruins, na verdade nos angustiamos além da conta, sofremos além da conta, somos, eventualmente, derrotados porque nos esquecemos de Deus.

Aprendi que não é Deus que fica em silêncio, somos nós que tapamos nossos ouvidos.

“Meu povo foi destruído por falta de conhecimento [...]”. (Oséias 4:6a)

Veja o que nos deixou registrado o profeta Amós:

“CERTAMENTE O SENHOR SOBERANO NÃO FAZ COISA ALGUMA SEM REVELAR O SEU PLANO AOS SEUS SERVOS, OS PROFETAS”. (Amós 3:7)

A mulher do fluxo de sangue teve que perder tudo até poder abrir os seus ouvidos e olhos espirituais e assim poder ouvir e ver a Deus. Neste exato momento, quando olhamos para ela a vemos ausente de qualquer capacidade humana de tentar resolver as coisas por si mesma. Sem forças para caminhar devido à perda contínua de sangue, emocionalmente machucada por ser considerada impura e indigna de viver na sociedade e espiritualmente frágil, pois 12 anos já se haviam passado e nada mudara em sua vida. Ela estava cansada física, emocional e espiritualmente falando. Ela estava completamente aberta para ver e ouvir a Deus. Sua alma estava despida diante de Cristo.

Quando Cristo passa a representar o TUDO em nossas vidas, então nossos problemas, nossas dores e nossas angustias são reduzidas a NADA.

“Ela padecera muito sob o cuidado de vários médicos e gastara tudo o que tinha, mas, em vez de melhorar, piorava”. (Marcos 5:26)

Mesmo cansada, machucada, magoada, mesmo se sentindo indigna pela sua enfermidade, ela não desistiu. Arrancando forças de onde não havia mais, teve um lampejo de esperança e falou consigo mesma que iria atrás desse tal Cristo que haveria de passar por ali e que tinha o poder de curar.

“Quando ouviu falar de Jesus, chegou-se por trás dele, no meio da multidão, e tocou em seu manto, porque pensava: se eu tão somente tocar em seu manto, ficarei curada”. (Marcos 5:27.28)

O apóstolo Paulo nos deixou registrado em sua carta ao Romanos o sentimento de Abraão, aquele que foi classificado como o pai da fé:

“Abraão, CONTRA TODA ESPERANÇA, EM ESPERANÇA CREU, tornando-se assim pai de muitas nações, como foi dito a seu respeito: Assim será a sua descendência”. (Romanos 4:18)

Basicamente, o que o texto está querendo nos dizer é que mesmo tudo dizendo que não ia dar certo, mesmo contrariando a sua própria esperança de não acreditar, ele acreditou. Apesar de olhar para seu corpo já velho, apesar de olhar para sua esposa Sara e saber que ela não podia na esfera humana gerar filhos por ser estéril e por já estar em avançada idade e ter cessado o costume das mulheres, mesmo sabendo de todas essas impossibilidades ele, Abraão, acreditou no inacreditável.

Quando damos ouvidos à voz de Deus e passamos a contemplar a salvação então o impossível se torna possível e toda dor, angustia, preocupação e desespero se dissolvem em meio à certeza de que Deus é que peleja por nós.

Que tipo de toque será esse que essa mulher deu em Jesus?

Sem duvida não foi um toque qualquer. Não foi um toque comum. Ela, na verdade, não toca a Cristo com sua mão, mas com sua alma. E ela o faz com fé. Ela acreditou, confiou que Ele, de fato, poderia curar como havia escutado.

O Mestre então parou. Em plena multidão sentiu algo diferente. Ele então se vira, e pergunta:

“Jesus, reconhecendo imediatamente que dele saíra poder, virando-se no meio da multidão, perguntou: Quem me tocou?”. (Marcos 5:30)

A cura desta senhora é dividida em três partes. O primeiro dos males que da qual ela foi sarada foi a hemorragia (versículos 28 e 29).

Mas, no versículo 34 vemos Deus agindo na sua vida emocional e espiritual.

“E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou, vai em paz e fica livre do teu mal”.

Quando Cristo a chama de “Filha” ele a está curando emocionalmente, pois ela havia sido abandonada e rejeitada por todos, inclusive sua família, mas agora Jesus a chama de “filha”. Chamar de “filha” significa ter um pai, uma família, coisas que ela havia muito tempo perdido. Agora ela já não era qualquer pessoa, ela possuía uma identidade. Ela não estava mais sozinha. Ela tinha um pai. Um pai que não abandona, não rejeita e não acusa. Mas sim, um pai amoroso, dedicado, companheiro e amigo.

Quando Cristo prossegue dizendo que “a tua fé te salvou” ele está sarando a sua vida espiritual. Depois de ter perdido tudo tentando se curar, após ter corrido atrás de todos os médicos e de nada ter adiantado, antes piorado, sua fé começou a ser questionada. Será quantas noites que ela passou em claro cheia de dúvidas e questionamentos? Sem duvida nenhuma sua fé foi testada. Mas antes que ela desistisse de tudo ela buscou, ainda que fosse sua ultima tentativa, chegar até Jesus. Atravessar a multidão não foi fácil, mas quando olhamos somente para Cristo não há nada em nosso caminho capaz de nos impedir de chegar até ele.

Não havia barulho suficiente para fazer com que ela desistisse de sua luta.

Quando nossos olhos e ouvidos encontram-se tapados para as coisas que são da terra nenhum obstáculo ou barulho e suficientemente grande ou alto para nos fazer parar.

“Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?”. (Romanos 8:35)

Cristo finaliza acrescentando PAZ à vida dela que por conta dos 12 anos de dor, angustia e solidão não devia nem imaginar o que seria ter um dia tranquilo e calmo dentro de si.

Que historia linda. Que ensinamento precioso que Deus nos deixou.

Que possamos meditar cada dia mais e mais nas escrituras sagradas e aprender de Deus as suas instruções tendo a certeza que Cristo jamais fica em silencio, ao contrario, nós é que tapamos nossos ouvidos, pois a Bíblia é e contem a palavra de Deus, portanto, toda vez que eu desejar ouvir a voz de Deus, basta ler as suas palavras. E se eu desejar ver a Deus só é preciso fechar os olhos para o mundo e enxergar Deus no controle de tudo.

Fiquem todos na Paz de Cristo.

Amém.
Autor: Sancley Q. Silva.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Cura - Parte 1


Autor: Sancley Q. Silva

“E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou, vai em paz, e sê curada deste teu mal”. Marcos 5:34

Estive meditando nesta passagem, e como de costume, me peguei pensando em tudo quanto esta mulher passou antes de conseguir se libertar não de sua, mas de suas, no plural, aflições e angustias. Quando leio a sua história começo a pensar no tempo em que nós passamos tentando resolver com nossas próprias forças os nossos problemas e que, muitas das vezes, só nos fazem cansar e nada resolvem. Pego-me meditando no fato dela ter perdido tudo, isto é, família, bens materiais, dignidade, respeito, contudo, imediatamente também me ponho a pensar naquilo que ela, apesar das circunstâncias contrárias não perdeu, ou seja, sua determinação, coragem e vontade de vencer.

Com o passar dos anos aprendemos que nesta vida perderemos muitas coisas, sejam elas pessoas, bens materiais ou qualquer outra coisa, no entanto, a única coisa que não podemos perder, ainda que estejamos passando pelo vale da sombra e da morte é na nossa esperança. É certo que em alguns momentos ela será posta a prova, que possivelmente iremos duvidar, mas nunca perdê-la totalmente, pois Deus sempre irá nos estender as mãos para nos salvar de qualquer lugar que possamos estar.

O relato bíblico contido em Marcos 5, nos diz que esta mulher há 12 anos padecia de uma enfermidade e que ja havia gasto tudo o que possuía tentando solucionar o seu problema. Me lembro do que aprendi, que muitos de nós depois de tentar fazer um monte de coisas tentando buscar a solução de um problema vira e fala: “Acho que agora só o que me resta e orar e esperar que Deus me ajude”. Quando, na verdade, isso deveria ser a nossa primeira atitude ao invés da ultima.

Muitas das vezes para enxergarmos a cura para o que está nos afligindo precisamos tirar os olhos daquilo que é terreno, do que possuímos para assim podermos conseguir enxergar Deus. Precisamos aprender a fechar os nossos olhos e ouvidos terrenos e abrir nossos olhos e ouvidos espirituais. Só assim conseguiremos ver e ouvir Deus em meio às tormentas que por vezes nos assolam. Pena que em algumas ocasiões temos que perder algo para somente então conseguirmos ver e ouvir Cristo acenando para nós a solução.

Lembro-me de pelas tantas mensagens que já li a respeito da batalha de Davi contra Golias que o pequeno, franzino e desajeitado jovem só venceu o gigante e aterrorizante Golias porque, ao contrario de olhar para ele, olhou um pouco mais acima do grandalhão armado e musculoso que estava pronto para lhe matar e viu Deus acima dele. O jovem guerreiro não focou em seu problema, antes focou no Deus que estava acima do seu problema. E honestamente falando este é exatamente o meu e o seu problema porque tendemos sempre a enxergar as dificuldades e nunca a solução e é devido a esta nossa falha que em muitas das vezes somos levados à derrotas e fracassos contínuos até pararmos de olhar para as dificuldades e olharmos para Cristo.

Esta mulher precisou perder tudo para então permitir que seus ouvidos escutassem falar de um certo Cristo que passaria pela região em que se encontrava e que ele tinha o poder de curar. Não estou aqui criticando ela, só acredito que isso não tem que ser assim nas nossas vidas hoje em dia. O que estou querendo dizer é que quando um problema vem para nos afligir e angustiar não temos que tentar resolver por nossas próprias forças, antes devemos nos apresentar a Deus e dizer a Ele o que está acontecendo e Ele nos dará o direcionamento.

Esta mulher perdeu tudo. E quando eu digo tudo eu realmente estou sendo literal, pois ela não podia viver junto à sua família devido ao seu fluxo continuo de sangue. Ela era obrigada a viver isolada e separada. A solidão, a tristeza e a dor eram suas companhias diárias. Fico me perguntando quantas noites que ela não deve ter passado chorando, com sua alma angustiada. Não é muito diferente do que pode estar acontecendo comigo ou mesmo com você que lê esta mensagem.

De acordo com a Lei de Moisés esta mulher deveria viver separada por ser considerada impura. O capitulo 15 do livro de Leviticos e versículos 19 e 25 deixa bem claro como era o costume na época. De acordo com a lei além dela ser considerada impura, tudo aquilo que ela tocasse ou mesmo se alguém tocasse nela era tido como impuro, portanto, ela era obrigada a viver longe e isolada das pessoas a quem ela amava e de toda sociedade.

Com o passar do tempo ela desenvolveu além da doença física (fluxo continuo de sangue) outras duas: a emocional e a espiritual. A doença física era evidenciada pelo fluxo continuo de sangue. Por 12 anos esta mulher sangrou sem parar. Ela estava fisicamente fraca e debilitada. A força que ela teve que fazer para conseguir atravessar a multidão que cercava Jesus deve ter sido enorme e por isso não é difícil de compreender o fato dela ter caído e ter tocado na orla do vestido de Cristo.

A doença psicológica (emocional) era caracterizada pela incapacidade de gerar filhos, ou seja, seus sonhos não podiam ser realizados, além do fato de ser rejeitada pela sociedade tendo que viver isolada por ser considerada impura o que a obrigava a viver longe das pessoas que ela amava e também de seus familiares.

Quantos de nós que quando estamos passando por um problema somos abandonados por aqueles que se dizem ser nossos amigos e companheiros mas que diante das dificuldades se afastam de nós. Quantos que antes do problema aparecer nos dizem que estarão sempre ao nosso lado, que nunca irão nos deixar e vão passar junto o vale conosco mas que na primeira menção do problema simplesmente desaparecem nos deixando sozinhos. Muitos só sabem viver na alegria, na saúde e na riqueza. Quando vem a tristeza, a doença e a pobreza somos largados de mão, e então choramos, nos entristecemos ainda mais, nos angustiamos, nos desesperamos e passamos a viver como esta mulher, isolados, sozinhos e longe das pessoas até conseguirmos tirar os olhos da terra e levanta-los ao céu e ver Jesus sorrindo, acenando para você e para mim, e dizendo: “Oi, eu estou aqui, pode o mundo inteiro te abandonar, mas eu ja passei pelo que está passando e por isso eu te entendo e não te deixo e nem te abandono sozinho”.

Com o tempo ela também passou a ser doente espiritualmente, pois à medida que o tempo vai passando e não vemos saída para nossas aflições nossa fé também tende a se enfraquecer. O sábio Salomão disse: “A esperança demorada enfraquece o coração [...]”. Provérbios 13:12ª

Aquele que disser que nunca teve sua fé posta em prova ao menos uma vez que atire a primeira pedra. O apóstolo Paulo, em Atos 27:20, nos relata que durante uma de suas viagens a embarcação em que ele se encontrava teve problemas e uma forte tempestade açoitou o navio deixando a todos desesperados e sem esperança.

“E, não aparecendo, havia já muitos dias, nem sol nem estrelas, e caindo sobre nós uma não pequena tempestade, fugiu-nos toda a esperança de nos salvarmos”. (Atos 27:20)

Em sua segunda carta à igreja de Corinto, Paulo mais uma vez deixa registrado que as dificuldades pelas quais passamos, muitas das vezes nos fazem desesperar e colocar em duvida a nossa fé.

“PORQUE NÃO QUEREMOS, IRMÃOS, QUE IGNOREIS A TRIBULAÇÃO QUE NOS SOBREVEIO NA ÁSIA, POIS QUE FOMOS SOBREMANEIRA AGRAVADOS MAIS DO QUE PODÍAMOS SUPORTAR, DE MODO TAL QUE ATÉ DA VIDA DESESPERAMOS”. (2 Coríntios 1:8)

Neste ponto, eu me ponho a perguntar: Quanta dor física, emocional e espiritual temos que suportar até que sejamos curados?

Continua...
 Autor: Sancley Q. Silva